Portuguese

Big thanks to Taís González for the translation!

Somos um grupo aberto de acadêmicos pensando, trabalhando e escrevendo sobre todas as questões relacionadas às abordagens pós- e de-coloniais no contexto do desenvolvimento, estudos de desenvolvimento e além. Consideramos que as perspectivas pós- e de-coloniais são vitais para serem negligenciadas no debate sobre o desenvolvimento e na academia como tal.

O termo convívio é usado em muitos significados e contextos diferentes. Para nós, significa equidade, respeito mútuo entre si e o mundo natural e assumir responsabilidade conjunta pela maneira como vivemos, agimos e nos engajamos. Com a criação de um espaço para o pensamento convivial, queremos fazer uma humilde tentativa de quebrar com o ciclo da reprodução dicotômica do: Nós/Elxs, Ocidente/Resto, Desenvolvidos/Subdesenvolvidos, etc. – além da reprodução sem fim de reformadores e reformados.

A questão-chave para nós é ver o que não sabemos em comparação com o que sabemos através do meio padrão de produção de conhecimento. Em nosso entendimento, o caminho para conhecer o desconhecido, de natureza pós-colonial, passa por terrenos inexplorados, em termos de estrutura e conteúdo dos atuais meios acadêmicos. Nosso objetivo é desterritorializar e descentralizar essas plataformas de debates sobre o desenvolvimento, inculcando aquelas vozes, obras de arte, opiniões que são silenciadas ou perdidas nos espaços hierárquicos das publicações. Mantendo-nos alinhados a essência do paradigma tradicional dos estudos pós e decoloniais, pretendemos fornecer espaço e autoridade aos autorxs, artistas, escritorxs, poetas, pensadorxs que desejam transmitir suas mensagens por meios informais de código aberto – aqui neste site.

Robert Young (2003) sustenta que o pós-colonialismo sempre representa uma política transformacional que visa reduzir a desigualdade e eliminar hierarquias em estados e instituições, por isso, dedicamos este site à redução das desigualdades e hierarquias existentes na academia, permitindo ou não a produção de certos pensamentos. Posicionamo-nos como porta-bandeiras de uma nova maneira de produzir conhecimentos em que os limites de origem, etnia, afiliação profissional, disciplinas acadêmicas etc. são ultrapassados ​​para criar abordagens inclusivas, interdisciplinares e alternativas para os métodos principais de produção de conhecimento, portanto, um pensamento convivial!

O desenvolvimento como conceito e prática é profundamente político. Envolve poder e conhecimento, representação, contestação, lutas e processos de negociação nas esferas local, nacional e global. O desenvolvimento nunca é neutro. As tentativas de negar isso simplesmente aderem a uma teleologia que reproduz “infinitamente a separação entre reformadorxs e aquelxs a serem reformadxs” (Escobar, 1995). Nós somos políticxs. Esta página é política.

Através desta página, procuramos criar um contraponto e uma plataforma para o pensamento crítico e a contestação de diálogos, bem como a colaboração horizontais.

O conteúdo desta página está em constante evolução. As mentes por trás da manutenção e coordenação desta página são: Sayan Dey (Universidade Real do Butão), Lata Narayanaswamy (Universidade do Leeds), Aftab Nasir (Universidade Forman Christian College de Lahore) e Julia Schöneberg (Universidade de Kassel). Tudo o mais está em mãos que colaboram voluntariamente! Convidamos todxs a contribuir. Basta entrar em contato!

Como contribuir?

Para entrar em contato conosco ou para participar de nossa lista, clique aqui.

Temos o privilégio de apresentar a obra de arte de Angie Vanessa Cárdenas Roa. Por favor, visite o site dela.

Agradecemos o apoio financeiro do Departamento de Desenvolvimento e Estudos Pós-coloniais da Universidade de Kassel, Alemanha.

O Pensamento Convivial está associado ao Grupo de Trabalho da EADI sobre Perspectivas Pós e Decoloniais de Desenvolvimento”.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •